quarta-feira, 23 de julho de 2014

Deus leva a sério as suas lágrimas

0 comentários. Clique aqui e deixe o seu também!


Jesus sabia que Lázaro iria morrer. Jesus sabia do enorme sofrimento que afligiria Marta e Maria, pela perda do irmão amado. Mesmo sabendo antecipadamente de tudo isso, diante das lágrimas aflitas da família e dos amigos, Jesus ficou profundamente comovido. E o evangelista resume todo este drama com apenas um pequeno versículo: “Jesus chorou” (João 11.35).

O que chorar significa, na complicada dinâmica de nossa vida emocional? Chorar é prova de fraqueza, de revolta, ou de descontrole? Não. Expressar emoções e sentimentos através das lágrimas é um comportamento de reequilíbrio interior e de comunicação profunda com o mundo que nos cerca. Olhos marejados de lágrimas enxergam coisas profundamente humanas, que passam despercebidas, quando os olhos estão secos.

Diante de um evento maior do que nós e que nos obriga a perceber nossa humildade e nossa fragilidade, o jeito é explodir com lágrimas, para não implodir com raiva. O Senhor inventou o chorar por causa do amor que Ele sente por Seus filhos. Se quiséssemos usar uma palavra não usada, mas tecnicamente perfeita, diríamos que chorar é um processo de homeostase...

Deus leva a sério o nosso chorar – no mínimo, é isto que aprendemos das sinceras lágrimas de Cristo Jesus diante do sofrimento de duas irmãs amigas, desconsoladas pela morte de um irmão querido. O salmista declara esta mesma verdade, através de uma expressão poética: “recolheste as minhas lágrimas no Teu odre – não estão elas escritas no Teu livro?” (Salmo 56.8).

Chorar é um poderoso elo social – não é por acaso que Paulo recomenda “chorar com os que choram” (Romanos 12.15). Cristãos que choram sinceramente e que compartilham a dor dos irmãos, chorando em comunidade, vivem antecipadamente o Reino perfeito da nossa Terra, onde “Deus enxugará dos olhos deles todas as lágrimas” (Apocalipse 21:4). Só de pensar, dá vontade de chorar de alegria!

Pr. Olavo Feijó


A-BD

sexta-feira, 18 de julho de 2014

4 equívocos que cometemos ao lidar com nossos pecados

0 comentários. Clique aqui e deixe o seu também!

Apesar de Jesus chamar pecadores (como você) para se achegarem a ele em busca de purificação, alívio e renovo, eu percebo que muitos de nós muitas vezes somos lentos ao buscá-Lo justamente por conta das coisas que nos deveriam apressar a procurá-Lo. Há muitas mentiras que somos tentados a acreditar que podem afetar nossa comunhão com Cristo. Aqui estão quatro às quais você deve estar atento:

1. “Esse pecado não é sério o suficiente para levá-lo a Jesus”

Alguns de você consideram seus pecados, pelo menos alguns deles, como muito pequenos para levá-los até Jesus. Ninguém se machucou, sua fé continua intacta, então por que incomodar Jesus com isso? O problema é que a pequeneza atribuída aos seus pecados criou uma desculpa para que você fique longe do Salvador, ao invés de te lembrar que você precisar se manter sempre perto dEle. Seus pecados, não importa o quão hediondos, sempre demandam que você retorne – correndo – para o Senhor. Jesus morreu por conta desses pecados, pois só eles já são o suficiente para te condenar para sempre.

Aqueles olhares de cobiça, palavras breves, mas grosseiras, uma atitude de indiferença perante outras pessoas, podem parecer pequenos, mas não só são dignos de condenação como são perigosos e tem o potencial de endurecer seu coração. Não tente diminuí-los, pensando que são insignificantes, mas enxergue-os como realmente são – uma ofensa a Deus e um perigo para sua alma – e corra para Jesus em busca de graça.

2. “Esse pecado é tão mau que eu não posso nem olhar para Jesus”

Alguns de vocês sentem a severidade de suas transgressões tão agudamente que caíram em um tipo de paralisia espiritual. Alguns se sentem tão culpados por seus pecados que se sentem como se não pudessem sequer olhar para Jesus. Mas a nossa vergonha, que é bastante real, não deveria acabar conosco. Nossa culpa deveria nos voltar para o Único que pode lidar com ela; o Único que já lidou com ela.

É uma mentira que nós acreditamos rapidamente, “é grande demais”. As implicações blasfemas são que Jesus seria pequeno, duro e rancoroso demais para lidar com as nossas transgressões. Mas quanto mais profundo o pecado, maior é a necessidade. Quanto mais abunda o pecado, a graça superabundará! (Rm 5.20). E a oferta de Jesus continua sendo a de graça livre e sem fim para todos os que vierem a ele! Lembre-se do que o Pai falou em Isaías 1.9: "Os seus pecados os deixam manchados de vermelho, manchados de vermelho escuro, mas eu os lavarei, e vocês ficarão brancos como a neve, brancos como a lã".

3. “Não me sinto mal o suficiente por meu pecado”

Eu mesmo costumava crer nessa. Alguns de nós sentimos nossos pecados, mas não nos sentimos suficientemente culpados. Nós sabemos que nos falta o verdadeiro arrependimento piedoso por conta de nossa transgressão, portanto concluímos que qualquer “retorno” a Jesus nesse ponto seria hipocrisia. Eu não me sinto culpado o suficiente, então por que Jesus me aceitaria?

Há pelo menos dois problemas aqui. Um é que aqueles que estão em Cristo já foram recebidos por ele. Não há nada bloqueando nosso acesso a Jesus! O segundo problema tem a ver com a fonte de nossa convicção e de nossa culpa. Por que você pensaria que você pode reunir remorso o suficiente pelos seus pecados sem se aproximar daquele que carregou sua culpa na cruz? Você realmente acredita que você pode enxergar e sentir a gravidade do seu pecado à parte de se achegar a quem sentiu o peso das trevas do seu pecado em seu lugar? Não, você só é capaz de encontrar arrependimento profundo e apropriado para os seus pecados quando você os vê à luz do Salvador!

4. “Eu não me purifiquei o suficiente ainda”

Outra mentira que eu vejo muitos cristãos acreditarem é que nós precisamos nos limpara para nos encontrarmos com Jesus. Muitas vezes funciona assim: nós “estragamos tudo” de novo, caindo em qualquer pecado que parecemos lutar com tão poucas forças; a culpa bate forte, mas ao invés de nos voltarmos para Jesus, pensamos “antes que eu possa buscá-Lo, eu preciso primeiro me limpar. Só mais um dia de oração consistente, longe daquele pecado, e eu estarei pronto”. Mas isso é um tipo de justiça por obras. Isso é religiosidade baseada no quão limpos nós conseguimos nos fazer. Isso baseia nossa confiança perante Deus na nossa própria reforma pessoal, ao invés de na perfeita redenção de Jesus. Essa é uma mentira perigosa que só te levará para mais longe de Jesus. Você pensa que está se achegando a Ele quando está finalmente pronto, mas na verdade você está se distanciando dEle ao confiar em seu próprio desempenho.

A verdade é essa: Jesus disse “o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora” (João 6.37). Não se demore em buscar Jesus. Não permita que qualquer sussurro do seu coração ou do diabo o leve a “enrolar”. Sua lentidão em vir a Jesus diariamente, em toda as horas, mesmo em face ao pecado, somente resultará em falta de comunhão com Ele. Ele está pronto para você agora. Corra!

"Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei" (Mt 11.28)



A-BD